Internacional

Pesquisa mostra que 40% das mães nos EUA deixam de amamentar ao voltar para o trabalho

Amamentação traz muitos benefícios importantes para as mães e os bebês, mas as barreiras no local de trabalho contribuem para baixas taxas de aleitamento materno

Para as mães de primeira viagem, voltar ao trabalho pode representar uma série de obstáculos para a continuidade da amamentação. As políticas do local de trabalho que afetam a capacidade de amamentar – e o papel dos profissionais de enfermagem para ajudar a superar esses obstáculos – são o tema de um artigo especial no The Nurse Practitioner, publicado pela Wolters Kluwer.

A amamentação traz muitos benefícios importantes para a mãe e os bebês, mas as barreiras no local de trabalho contribuem para baixas taxas de amamentação. Os enfermeiros funcionam frequentemente como o primeiro ponto de referência para as novas mães e podem afetar positivamente as decisões sobre a amamentação.

Políticas no local de trabalho

“A amamentação é amplamente reconhecida como a melhor forma de nutrição para lactentes, proporcionando benefícios para a saúde dos bebês e das mães. Como tal, as medidas para incentivar a amamentação têm o potencial de reduzir os custos de saúde. A sociedade em geral se beneficia de mães e bebês mais saudáveis”, afirma o pediatra Moises Chencinski, criador e incentivador do movimento Eu Apoio Leite Materno.

Mas enquanto 75% das mulheres escolhem amamentar após o parto, apenas 40% continuam nessa intenção depois de voltarem ao trabalho. Nos Estados Unidos, o aleitamento materno é considerado como uma escolha pessoal e a legislação em apoio à amamentação no local de trabalho é mais limitada do que na maioria dos outros países.

“As políticas do empregador podem ter um grande impacto na possibilidade de as mulheres continuarem no aleitamento materno, após o retorno ao trabalho. Um estudo descobriu que as mulheres que trabalham em empresas com políticas de apoio à amamentação são mais propensas a continuar amamentando por pelo menos seis meses, conforme o recomendado pelas diretrizes atuais”, diz o pediatra, autor do blog #EuApoioLeiteMaterno.

O artigo identifica os elementos-chave de uma política de amamentação exitosa no local de trabalho, incluindo pausas adequadas e uma área adequada para as mulheres bombearem o leite materno, bem como uma instalação para o armazenamento do leite retirado (como uma geladeira). Os custos de tais políticas são relativamente baixos – e provavelmente serão compensados ​​pelas potenciais economias relacionadas ao absenteísmo, menores custos de saúde e menor rotatividade de funcionárias.

Nos Estados Unidos, no entanto, é improvável que empregadores adotem programas de promoção à amamentação, a menos que existam regulamentos para apoiá-los. O documento “Break Time for Nursing Mothers”, uma Lei de Cuidados Acessíveis, abrange a proteção a alguns funcionários e locais de trabalho. Além disso, 28 estados (juntamente com Porto Rico e o Distrito de Columbia) possuem leis sobre a amamentação no local de trabalho.

“Os profissionais de enfermagem devem manter-se atualizados sobre a legislação atual e os recursos da comunidade que estão disponíveis para apoiar a amamentação, uma vez que essas pacientes retornarão ao trabalho”, defendem os autores do estudo.

Comente

Comentários